Estudo tem o objetivo de apoiar as redes de ensino e obter diagnósticos para a tomada de decisões por parte de gestores educacionais

 

A Undime está realizando a quinta fase da pesquisa “Planejamento das redes municipais de ensino quanto aos calendários letivos de 2020 e 2021”. A iniciativa tem o apoio do Itaú Social e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e pretende mapear ações, estratégias e dificuldades das redes municipais de educação para poder fomentar o debate e a implementação de programas e políticas públicas da área.

O prazo para responder à pesquisa foi estendido até o dia 9 de julho de 2021 e o link de acesso ao questionário foi enviado às seccionais da Undime em cada estado. As respostas são online e deve ser feitas pelo dirigente de educação, o adjunto ou representante da Secretaria Municipal de Educação.

Clique aqui para acessar os contatos da Undime de seu estado para solicitar o questionário, que também foi enviado por e-mail a todas as secretarias municipais de educação do país.

 

Sobre a Pesquisa

Desde o início da pandemia de covid-19, a Undime tem aprofundado estudos para entender como as redes municipais de educação têm se organizado na realização das atividades escolares e obter diagnósticos para a tomada de decisões por parte de gestores educacionais.

Assim como ocorreu em 2020 e tem se repetido no ano de 2021, educação básica pública passa por inúmeros desafios, devido às mudanças impostas pelo enfrentamento à pandemia.

Com a pesquisa, o presidente da Undime, Luiz Miguel Martins Garcia, Dirigente Municipal de Educação de Sud Mennucci/ SP, espera ajudar as redes na tomada de decisões seguras e conscientes por parte de dos gestores.

“Aguardamos as respostas de todas secretarias municipais de educação do país para que possamos ajudar as redes e possibilitar o retorno às aulas a todos os estudantes, desde que respeitada a autonomia dos entes federados, bem como as condições de saúde e segurança necessárias, salvaguardando os direitos de aprendizagem e a valorização da vida e saúde de profissionais da educação, estudantes, familiares e toda comunidade escolar”.

 

Fonte: Undime